Facebook

Fim-de-semana solidário com recolha de alimentos para o Banco Alimentar

ba 2018 1

Os Bancos Alimentares contra a Fome realizam no próximo fim de semana, 2 e 3 de Junho, mais uma campanha nacional de recolha de alimentos.


Sob o mote "É preciso dar um pouco mais, para que falte ainda menos", a instituição vai estar presente em mais de 2000 superfícies apelando à solidariedade e ao envolvimento de todos os portugueses para que ajudem quem se encontra em situação de carência alimentar.
Para Isabel Jonet, presidente da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome, "a carência alimentar é um problema social que existe 24 horas por dia e sete dias por semana, que continua a afectar muitas pessoas», pelo que «o envolvimento e o contributo de cada cidadão é muitíssimo valioso para que possamos continuar diariamente a dar uma resposta ao problema em Portugal, apoiando e ajudando quem ainda necessita de ajuda para se alimentar», refere.
Durante a campanha mais de 42 mil voluntários vão oferecer o seu tempo e esforço na acção de recolha que beneficia cerca de 400 mil pessoas através de 2630 instituições de solidariedade. O Banco Alimentar conta ainda com o apoio de várias empresas e entidades, que se associam à causa, disponibilizando equipamentos e serviços tais como transportes, publicidade, comunicação, seguros, segurança e alimentação.
Para além da campanha de recolha de alimentos com voluntários, será ainda possível contribuir através da campanha "Ajuda Vale" até 10 de Junho. Os vales estarão disponíveis nas caixas dos supermercados, tendo cada um deles associado um código de barras específico para os produtos que cada pessoa quiser doar ao Banco Alimentar.
Dando também oportunidade a todos aqueles que nos dias da campanha de recolha de alimentos não se podem deslocar aos supermercados, que residem ou se encontram fora de Portugal, o Banco Alimentar disponibiliza uma vez mais o portal de doação online www.alimentestaideia.pt também até 10 de Junho.
De acordo com os resultados do Inquérito às Condições de Vida e Rendimento do INE, em Portugal permanece elevada a taxa de risco de pobreza ou exclusão social, que era de 23,3%, em 2017. Do total das pessoas em pobreza ou exclusão social, 18,0% (431 mil) eram menores de 18 anos e 18,8% (451 mil) eram idosos com 65 ou mais anos. Ou seja, quase um quarto da população portuguesa tem privações materiais e depende de apoios socais. Os dois grupos etários mais afectados (crianças e idosos) dependem da solidariedade e das redes de proximidade para que possam ter uma vida mais digna.

e-max.it: your social media marketing partner

1ª Página

Publicidade

Calendário

Junho 2018
S D
28 29 30 31 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 1

Links Úteis