O Centro de Artes do Espectáculo de Portalegre (CAEP) recebe no próximo dia 21 de Fevereiro a peça “Um outro fim para a Menina Júlia”, a partir da aclamada obra do dramaturgo August Strindberg, com encenação de Tiago Rodrigues e a participação de Helena Caldeira, Inês Dias, Lúcia Maria, Manuel Coelho, Paula Mora e Vicente Wallenstein.
O espectáculo chega ao palco do CAEP no âmbito da Rede Eunice AGEAS, do Teatro Nacional D. Maria II, na qual está ainda prevista a apresentação, no dia 20 de Março, da peça clássica do dramaturgo grego Sófocles, “Antígona”, com encenação de Mónica Garnel.
Refira-se que, de 2020 a 2022, o CAEP receberá em cada ano três peças, que consistirão numa adaptação, num texto clássico e num texto original, propostas teatrais e estéticas diversas.
Rede Eunice AGEAS, que homenageia a actriz Eunice Muñoz, inclui as cidades de Portalegre, Bragança, Cartaxo e Portimão, que foram escolhidas entre diversas candidaturas, e visa a descentralização cultural e a difusão de peças produzidas e co-produzidas pelo Teatro D. Maria II, de forma a reforçar a oferta teatral de qualidade nas suas comunidades.
Em comunicado, o Município de Portalegre refere que esta iniciativa «fundamental para a dinamização do município e para a fidelização de públicos interessados e exigentes, de todas as idades», uma vez que «proporciona aos seus espectadores a melhor oferta em termos de eventos culturais. Por isso, a adesão a esta rede é um passo muito importante nesta estratégia cultural, e que proporcionará ao público portalegrense a possibilidade de assistir a obras teatrais a que normalmente não teriam acesso».

 

Sinopse da peça:

“Júlia sai com um passo firme”. Esta é a didascália que August Strindberg escreve no final de “Menina Júlia”. Desde a estreia da peça, há 130 anos, em março de 1889, que atores de todo o mundo obedecem à ordem do autor e nos sugerem o suicídio de Júlia, como o único desfecho possível desta história.Imaginar outro fim possível para estas personagens obriga-nos a mostrar em cena o que acontece depois da didascália de Strindberg. Obriga-nos a imaginar o futuro que não quis prometer às suas personagens.Em “Um outro fim para a Menina Júlia”, vemos Júlia, João e Cristina, que o mundo já viu tantas vezes, para depois os reencontrarmos 30 anos mais tarde, treinados pela vida a encontrar a felicidade nas pequenas coisas. Neste “antes e depois”, tentamos inventar uma alternativa e imaginar que o passo firme de Júlia pode ser o início da lenta e laboriosa caminhada da vida.

Mais Notícias